Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Dia 31: o tão esperado

por Perseide, em 02.07.12

O tempo, já dizia Einstein, é relativo. Um mês pode passar muito rápido para os mais velhos, parecer uma eternidade para uma criança, e impossível de levar a cabo para quem faz dieta. Quando estamos habituados a comer tudo o que nos apetece, imaginar um mês privado dos melhores sabores que experimentamos pode soar a tortura. E na verdade, acredito que o seja: se for feito de maneira errada.

Quis mentalizar-me que este dia ia chegar rápido e na verdade chegou.

Passou um mês de dieta hiperproteica, hipocalórica, sem passar fome e com resultados visíveis!
Posso sem sombra de dúvida dizer agora que recomendo esta dieta a qualquer indivíduo saudável que pretenda perder peso sem demasiados esforços.

O esforço é a privação dos hidratos de carbono, mas para a mensagem passar acho importante senti-lo na pele. Afinal também tivemos muitos bons momentos a comer aquilo que não devíamos, certo? E como na natureza nada se perde, tudo se transforma, agora é hora de "pagar" por esses pequenos exageros.

Noto que estou mais magra e que o meu corpo se vê mais definido, isto graças à ginástica que faço. Ao mesmo tempo fiz uns dias de asneira a mais lá para trás, abusei (muito) bem nos dias de mais liberdade e o meu objectivo ainda não está a 100%. Por isso vou continuar mais uns dias a dieta até conseguir o meu objectivo. Afinal, se já cheguei até aqui, mais vale levar tudo até ao fim!

Almoço: filete de peixe-espada com bolinhos de courgette
Os bolinhos de courgette são uma espécie de bolos de bacalhau (mas sem bacalhau, sem batata, sem farinha) com courgette e queijo. No entanto, e mais uma vez, foi difícil ligar os ingredientes! O ovo escorria, e a forma não se mantinha muito bem enquanto fritava. Precisa de algo que os compacte mais. Mas o sabor é muito bom e têm uma textura levemente crocante graças à courgette.

Jantar: requeijão com legumes: cenoura, aipo, rabanete
Como hoje não fui correr nem me apetecia mais sopa repeti este jantar light. Desta vez tentei sem cebola nem alho, mas continuo a não achar muita piada e achar algo enjoativo. Lembrei-me mais tarde que o sumo de limão talvez ajudasse!

- Como já disse anteriormente, estou a postar em deferido. Pelo que neste momento vou muito mais avançada na dieta. ;-)
 Portanto, continuei para lá do dia 31 e o balanço que deixo do pré e pós dieta corresponde ao dia 35! Confiram:


                                                     
              Não sou muito adepta de divulgar dados "pessoais", mas aqui fica a tabela que fiz. Espero que se revejam nos resultados ou apresentem uns ainda melhores!! :-)

Como vêem, não é preciso nem se deve andar com a balança sempre atrás ao fazer uma dieta. Eu segui à risca as recomendações do livro e pesei-me mais ou menos cada 15 dias. Excepto no "fim", ou dia 35 para fazer um balanço mais correcto. Caso contrário tinha desanimado com certeza ao não ver os ponteiros baixarem ao ritmo que queria.
Noto que há alturas em que emagreço mais e outras menos, e ao que parece é normal. Seguindo a página facebook do livro  parece que acontece com mais gente. E claro, quanto mais se perde, mais dificil fica emagrecer.
A última pesagem e medidas que tirei foram do dia 56 e estou quaaaaseee a atingir o meu objectivo! Mas está a custar chegar lá. Principalmente por causa da barriga! É a parte que me estou a focar mais neste momento. Mas a barriga está sob influência de imensos factores, principalmente a função intestinal, os ciclos mentruais e claro, genética.
Disseram-me que os cremes lipolíticos à base de café fazem mesmo efeito em zonas problemáticas localizadas.. se calhar devia investir nisso para a "operação bikini".
De todas as maneiras, estou bastante contente com os resultados. Acho que ter decidido fazer esta dieta foi das melhores decisões que tomei este ano. Sinto-me me muito melhor, sou mais cuidadosa com a comida e sinto-me capaz de controlar aqueles desejos por doces, que era um grande problema. 
Além disso, e como troféu final: consegui vestir a saia 36 que tinha cá guardada em casa desde há 10 anos. Nem acreditava quando me vi com ela vestida!! Guardei-a todo este tempo como uma recordação para mim mesma do tempo em que podia vestir aquilo que me apetecia e como lembrança para voltar aí. Pensar que há dois anos não a conseguia fazer passar das coxas e agora consigo apertá-la e andar com ela é uma grande, grande vitória.
Por isso, a tod@s vocês, encontrem "a vossa  própria saia 36", sigam em frente e motivados numa dieta, na manutenção de um estilo de vida saudável ou na práctica de um desporto que vos proporcione prazer e festejem no dia que conseguirem vestir aquela peça de roupa que tanto esperou! No fundo não depende de mais ninguém além de nós.

Vou postando os resultados posteriores!


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:50

Dia 27: tic-tac, tic-tac

por Perseide, em 27.06.12

Hoje acordei com vontade que fosse dia da asneira!
Começo a fartar-me um bocado de fazer dieta… e isso leva-me a crer que os resultados não são assim tão bons como esperava.
Por outro lado muita gente me diz que nota diferenças... Estou mortinha para que chegue o dia de subir à balança, usar a fita métrica e experimentar roupas novas.
Com o inicio da dieta as diferenças são notáveis sim, mas começa a aborrecer estar sempre tão limitada! Com o calor que tem feito apetecia-me de bom grado um geladinho, nem que fosse um Calippo… mas vou portar-me bem. Falta pouco...

Tinha pensado nem fazer o dia da asneira, para potenciar um bocadinho os resultados. Mas da maneira que isto vai prefiro mimar-me um bocadinho e depois talvez continuar mais uns tempos a dieta, para lá dos 31 dias!

Almoço: Salmão grelhado com tomates recheados
Um dos meus pratos favoritos são “tomates à la Provençale” ou “tomates farcies” que são o legume recheado com carne, queijo e ervas de provença.
A diferença é que esta receita não leva carne, o queijo usado é o feta, mete espinafres e os tomates estão crus!
Sinceramente prefiro a versão original: depois de recheados os tomates passam à frigideira, com um fiozinho de azeite e são abafados com uma tampa. O tomate fica mole mas bastante saboroso!
Esta opção é mais fresca mas o recheio também fica muito bom! Aconselho abusar dos espinafres e cortá-los em bocadinhos para a mistura ficar mais homogénea.

              
                       Tomates farcies epinards et féta - Imagem retirada da Internet

Jantar: Como teve de ser leve e frio inventei alguns dos alimentos permitidos… fiz uma pasta d atum: 1 lata de atum, 1 colher de sopa de queijo Philadelphia, ½ iogurte e sal. Teria ficado perfeito com pedacinhos de legumes a acompanhar!


E vocês, não têm problemas com as tentações de verão? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:03

Que é isso do IG e Hidratos de Carbono Complexos?

por Perseide, em 25.06.12

Ao iniciar uma dieta hiperproteica há algo que sai imediatamente do nosso dia-a-dia: hidratos de carbono.

No entanto, o nosso corpo está habituado a usá-los como a sua principal fonte de energia! O que acontece se o privarmos disso? Uma vez que só tem proteínas e lípidos disponíveis (=gorduras), vai ter de ir buscar os hidratos de carbono armazenados (=glícidos/açúcares)

Cada um destes três tipos de nutrientes (proteínas, glícidos e lípidos) é utilizado de forma diferente, mas todos eles convergem na mesma meta para nos fornecer energia.

Mas, e porque um bom começo se faz pelo princípio (fora a redundância) antes de chegar a uma situação de privação, o que acontece quando ingerimos Hidratos de Carbono? Ou seja, ante uma refeição considerada normal:
Quando os ingerimos, os hidratos de carbono são digeridos a moléculas muito pequeninas, os “açúcares”. Talvez os nomes monossacarídeos, dissacarídeos, polissacarídeos lhes soem. É a mesma coisa: todos eles representam açúcares mais ou menos complexos.

Já todos fizemos análises em jejum à glicemia para ver os seus níveis sanguíneos. Pois bem, a glicemia (ou “concentração de glicose no sangue”) é o resultado da transformação dos hidratos de carbono em glicose – um açúcar que as nossas células vão utilizar para desempenhar as suas funções. Embora possamos fazer uso da energia que as proteínas e os lípidos têm, a glicose dos hidratos de carbono é a maneira mais eficiente que o nosso corpo tem. (Há uma razão para os pratos de massa que os atletas consomem antes da provas!)
E por esta razão é que fazemos análises em jejum: depois de comer, começamos a transformar os hidratos de carbono ingeridos e a glicose sobe para valores muito mais altos que o normal (a glicose elevada é uma das características da diabetes)

E o que acontece a essa glicose que está no sangue? Como é que ela chega ao interior das células para estas a utilizarem nas suas funções? Graças à insulina.
Insulina é uma hormona produzida no pâncreas que tem a função de captar essa glicose  (açúcar) sanguínea para dentro das células.
Na Diabetes Tipo I  o pâncreas não secreta uma quantidade suficiente de insulina. Por isso não é captada e os valores sanguíneos aumentam muito.

Portanto, quando ingerimos hidratos de carbono, a glicemia aumenta. Como o nosso corpo detecta que há muita glicose no sangue, libera-se insulina que a vai armazenar – vai guardar esses açúcares.
Se os açúcares forem simples (“pequeninos” em termos de moléculas; exemplo, sacarose, o típico açúcar branco de mesa) chegam muito rapidamente à corrente sanguínea e são também retirados muito facilmente do sangue pela acção da insulina. Então a glicemia diminui rapidamente. A isto chama-se um “Pico de Glicemia”.
O que acontece então? O nosso cérebro detecta essa baixa de glicemia e dá ordens para que seja reposta – sentimos fome. E o que é que nós fazemos? Comemos, ainda que não precisemos de mais comida.
Por outro lado, se ingerirmos açúcares complexos (exemplo, aveia, cereais integrais), estes são retirados mais lentamente da corrente sanguínea. Deste modo, não ocorre aquela diminuição brusca da glicemia e sentimo-nos saciados durante mais tempo.
Por isso há que privilegiar a ingestão de hidratos de carbono complexos. Estamos a comer aquilo que gostamos mas de forma mais saudável.
Ou que é como quem diz: alimentos com baixo Índice Glicémico.
Esta é uma dica que costumo aconselhar a toda a gente, desde que tive a minha própria experiência pessoal:



(Imagem retirada da Internet)
Gráfico demonstrativo da variação de Glicemia ao longo do tempo, mediante a ingestão de um alimento com Alto Indice Glicémico versus um alimento com Baixo Índice Glicémico:

- A curva vermelha representa um alimento constituído por açúcares simples, por exemplo, o açúcar de mesa, e que contém um Alto Índice Glicémico. Como vêem, a subida dos níveis de açúcar no sangue - glicemia - é muito rápida. Em pouco mais de meia hora atinge o seu pico máximo, para rapidamente descer. Ao fim de duas horas os níveis de açúcar estão quase a zero. É aí que o nosso cérebro vai interpretar que temos fome, por assim dizer.
-A curva verde representa um alimento com um baixo Índice Glicémico. A subida dos níveis de açúcar no sangue é muito gradual, assim como o seu desaparecimento. Na verdade não forma nenhum pico nem há variações bruscas da glicose! No fim, os seus níveis permanencem assim durante mais tempo, o que nos dá uma sensação de saciedade prolongada.
 


Costumava comer cereais ao pequeno almoço (dos típicos que compramos em pacote: cheerios, corn-flakes, etc) ou torradas de pão branco. Mas cada vez que chegava a meio da manhã tinha sempre fome! E recorria obrigatoriamente aos meus pacotinhos de bolachas.
Desde que comecei a comer aveia ou pão integral de manhã noto que aguento muito melhor. Continuo a fazer lanches a meio da manhã quando acordo mais cedo, e quando o desgaste é maior, mas muitas vezes chego ao meio-dia sem sentir fome. Noto perfeitamente a diferença! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:30

Dia 25: Centrum, Help!

por Perseide, em 24.06.12

Ultimamente tenho estado mais atenta às minhas unhas: estão num estado lastimável, nunca as tinha visto assim.
Se eu já tenho uma tendência natural para que lasquem então agora, além de estarem todas lascadas, ainda partem! Horrível, tanto pela estética como pela sensação. Até custa a lavar a loiça...
Alguém a quem tenha acontecido o mesmo? É que pelo que consegui apurar não costuma ser um efeito secundário deste tipo de dietas.

Já me disseram que é falta de cálcio: mas as unhas não são feitas de cálcio, e sim de queratina – a mesma substância que constitui o cabelo. Por isso é que os problemas de queratina estão associados a alterações ungueais e capilares.
Curiosamente, a queratina é uma proteína, por isso não tem muita lógica que uma dieta hiperproteica cause problemas deste tipo.
Há também a hipótese que tenha uma anemia ferropénica... 

Vou esperar pelos resultados do exames sanguíneos, mas entretanto começei a tomar Centrum
Pelo sim pelo não mais vale prevenir e tomar umas vitaminas. Não faz engordar -  pelo menos directamente, ao contrário dos mitos,  - e se estiver com alguma carência pode ajudar!


Almoço: Perninhas de frango parmesão
Estava bastante animada para este almoço. Frango + parmesão soa a coisa boa!
No entanto acho que errei a receita desde o início: temperei o frango sem tirar a pele das pernas. Ok, pode ser normal em algumas receitas, mas neste caso… parmesão em cima da pele não tinha interesse nenhum! Resultado: a carne não ganhou o tempero e acabei por desfiar as pernas e repetir o tempero já no meu prato.
Nota para a próxima vez.
Com uma saladinha a acompanhar no final, depois de corrigida, ficou boa!

             
                   Pernas de frango com limão e cenopura - Imagem retirada da Internet

Jantar: sopa
não gosto nada dos jantares de sopa. Adoro o prato, mas frustra-me o facto de só poder comer gelatina além disso. Se ao menos tivesse uma peça de fruta de sobremesa faria toda a diferença!
Mas se é gelatina, gelatina será!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:32

Comidas contra o tempo

por Perseide, em 22.06.12

Em época de muito trabalho fica tudo dificil de gerir! E não são só as actividades quotidianas, ou blogs - mas a dieta também!
A vontade, na escassa hora de almoço, é chegar a casa e comer coisas que não dêm trabalho nenhum a fazer.
Nestes dias há duas opções:
- deixar a maior parte preparada na véspera: com dois inconvenientes... há receitas em que isso não é possível (isto quando se quer seguir o livro da dieta à séria) e depois porque às vezes, depois de um dia cansativo a última coisa que me apetece é ficar na cozinha a pensar no dia de amanhã até altas horas da noite.
- a alternativa é fazer a minha refeição salvadora: grelhar carne/peixe e acompanhar com um mix de legumes.
Desde que vi os franceses comerem qualquer tipo de legumes a acompanhar fosse o que fosse fiquei inspirada! E hoje em dia prezo mais isso que arroz, batatas.... e fico-me por aqui que a minha relação com a massa é muito especial! :-)
Na verdade, com um fio de azeite, sal, alho e algumas ervas aromáticas dá pra fazer salteados óptimos e com imensa variedade! Ultimamente tenho usado também o molho soja pois é permitido nas dietas. Com um especial cuidado com o sal - hipertensos! - pois está presente em grande quantidade no molho. E além dos hipertensos... para o lado feminino o sal também é um inimigo da celulite e da retenção de água! 

Curiosamente, ontem estive à conversa com uma investigadora da área de medicina-farmacologia e por um acaso fiquei a saber que o trabalho dela é na área da gluconeogénese (um mecanismo do nosso corpo para produzir glicose - o açúcar que usamos como energia) e ainda ficámos um tempo a discutir nutrição e a importância do índice glicémico - que é a base da dieta dos 31 dias!

Além disso alertou-me para os perigos das dietas hiperproteicas e da importância que os controlos têm: monitorizar a função renal é fundamental. Os aminoácidos, que constituem as proteínas, quando transformados pelo nosso corpo, dão origem a substâncias muito pesadas. Segundo ela, a mínima alteração que possamos ter - ainda que não dê sintomas numa situação normal - pode ser irreversivelmente alterada e causar-nos grande dano.
Os rins são um bem precioso, por isso todos se devem certificar que não há nenhum problema ao iniciar estas dietas.
Insuficência Renal, cálculos, malformações congénitas (rim em ferradura, rim pélvico..), glomerulonefrites... enfim, eu diria que qualquer um destes casos seria uma contra-indicação. Mas o melhor mesmo é consultar um médico ante essa suspeita. (ainda que aviso já: o mais provável é que a maioria contra-indique este tipo de dietas)

Eu já estou a planear as minhas análises! Sem me preocupar demasiado, mas porque prevenir é a base da nossa saúde.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:23

Visitas



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisa

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728

Posts mais comentados




Arquivos

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D