Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Porquê uma dieta?

por Perseide, em 28.06.12

Há muita gente que me pergunta o porquê de uma dieta, que me desaconselha a seguir um padrão alimentar tão restrictivo e que diz que se me limitasse a fazer uma alimentação normal que emagreceria.

Mas não é bem assim:

Vou fazer uma pequena retrospectiva pessoal: há cerca de 8 anos atrás mudei para um estilo de vida bastante sedentário e, não bastasse não ter reduzido o que ingeria, ainda comecei a comer alimentos mais calóricos. E inevitavelmente engordei.
Para 1,62m chegar a pesar 65kg (acho que cheguei aos 67kg uns meses) já é indicador de Sobrepeso (IMC>24). Era algo que me fazia sentir mal e que todos os dias pensava mudar. Mas nunca passava daí: “pensar”. Até que há pouco tempo atrás resolvi deixar de ser passiva e decidir o que queria fazer com o meu corpo.
Comecei a praticar desporto: spinning, step, jogging (como exercício aeróbio), e GAP, pilates e yoga (como anaeróbio). Resultado? Odiava desporto, hoje em dia adoro.
Há cerca de um ano resolvi mudar os meus hábitos alimentares e ganhei (felizmente!) o gosto pela cozinha: no dia-a-dia cozinho pratos muito saudáveis  e com sabor, que é bastante prazeroso!, como raramente fora de casa e evito produtos pré-fabricados .
Tudo isto revolucionou a minha vida! Com estas mudanças emagreci cerca de 5kg, tonifiquei bastante o meu corpo e comecei a sentir-me melhor comigo mesma. Já não era a mesma pessoa de há uns anos atrás.


Say no - Imagem retirada da Internet

Contudo isto não foi suficiente para atingir o peso que busco atingir. A prática de desporto que não seja num nível intenso não me vai fazer
emagrecer mais do que isto, nem comendo de forma saudável!
E porquê? Porque comer de forma saudável é isso mesmo: dar ao nosso organismo aquilo que ele necessita.
Logo, se ele tem aquilo que precisa porque é que há-de queimar as reservas que tem? E sem isso não se emagrece...

Então, para o conseguir é simples: há que criar um balance energético negativo – comer menos do que se gasta/gastar mais do que se come!
- Se eu gasto diariamente 1800kcal e ingiro 1800kcal «+1800-1800 = 0», dá um Balance Energético de Zero: não vou emagrecer, vou manter o meu peso.
- Se eu gasto 1800kcal e reduzir a ingestão de calorias para 1600kcal diárias «+1600-1800=-200» dá um Balance Energético Negativo: aí sim, crio uma privação e o meu organismo vai ter de mobilizar as reservas que tinha acumuladas. Todos aqueles adipócitos, as células que guardam as gotas de gordura, vão ser “chamados” a cedê-la.
É assim que se emagrece. Sem criar um Balance Energético Negativo ninguém, ninguém mesmo, emagrece. Por muito que queira acreditar em milagres, há que ser realistas.

E até quando fazer dieta? Até obter o peso desejado, claro. Mas, e a partir daí?!
Uma dieta equilibrada é para manter para a vida. É lógico que se voltar a comer como antes e não gastar essas calorias qualquer pessoa engordará. Mas também é lógico que comer como antes é errado e é para mudar.
Se sei que não gasto mais de 1800kcal não posso comer 2000kcal por dia!

Uma vez que tiver emagrecido deve-se voltar a comer de forma saudável, voltando a integrar todos os alimentos mas não ultrapassando as necessidades calóricas que se necessitam. E assim esse peso atingido será mantido.
Pode-se abusar, desde que nos dias seguintes se compense.

Compensação é a palavra de ordem, ou chamemos-lhe equilibrio, como qualquer outra coisa na vida!
Se não dormimos uma noite, no dia seguinte vamos ter de repor essas horas de sono. Se acumulámos trabalho durante a semana, quando o fim-de-semana chegar vamos ter de trabalhar e compensar o que não se fez nos últimos dias.
Se comemos um jantar muito calórico hoje amanhã temos de nos moderar para permitir que o corpo gaste o excesso do dia anterior.


Emotional Eating - Imagem retirada da Internet

Muitas vezes o problema reside na força de vontade para mudar e manter os hábitos. É que comer é um acto que nos dá prazer. Aliás, segundo a Teoria Psicanalítica, o prazer oral é o primeiro que experimentamos quando somos crianças e, tal como os outros, perpetua-se na vida adulta. Comer é um exemplo, tal como a sucção do mamilo, o beijo ou fumar. 
Por isso desvincular-se afectivamente da comida, deixar de a ver como algo que nos faça sentir melhor emocionalmente mas sim como algo que vai nutrir o nosso corpo é do meu ponto de vista um grande passo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:26

Dia 9: primeiros efeitos

por Perseide, em 05.06.12

Estou quase a ver os dois números surgirem no calendário!

Hoje é o primeiro dia que posso dizer, com certeza, que noto alterações no meu corpo. Antes ainda me questionava se seria devido ao exercício físico que tenho vindo a fazer…

A verdade é que ao correr pelo menos 3 vezes por semana já ia notando alterações. Mas tudo em câmara lenta.
O corpo torna-se mais firme, perde-se alguma gordurinha localizada… a roupa cai melhor. 
Nunca tive mudanças tão rápidas como nos últimos dias. Por isso, posso dizer sem peso de consciência que sim, está a surtir efeito! 

Além disso esta semana está a custar menos: já não estranho tanto estar a comer sempre alimentos ricos em proteínas. 
Pelo contrário: começo a mentalizar-me que posso passar muito bem sem hidratos de carbono e que tenho a mesma energia de antes! Claro que quando a dieta acabar vou voltar a comer massa (por exemplo, e muitos outros) porque é um prato que gosto. Mas espero moderar muito mais o seu consumo.
Cada vez acho mais importante distinguir entre aquilo que gostamos e aquilo que nos faz bem, o que necessitamos. O sabor doce, para mim, é uma tentação! E não passa de um capricho do meu cérebro… espero que estes 31 dias o ajudem também a acalmar-se.

 

Almoço: Salada de atum
Como procrastinar é muitas vezes a palavra de ordem, fiquei sem os ingredientes da receita de hoje em casa. 
(Fica anotado tentar a proposta mais tarde). 
Encontrei esta receita no dia 20 mas como inclui mação tive de me limitar aos restantes ingredientes.
Recordo que a fruta só entra na 2ª fase da dieta: que começa daqui a 5 dias.
Ao ler a receita fiquei um pouco céptica: pensava que ia ter fome com uma lata de atum e salada!
Mas enganei-me. Atum+iogurte+ovo cozido e companhia... bem, dei por mim a desejar que o prato chegasse ao fim!
A salada é simples, boa, óptimo prato para um SOS. Tive pena da maçã que se costuma conjugar muito bem em saladas.


                 
          Salade de thon, maïs et pomme - Imagem retirada da internet

Jantar
: Paté de requeijão com legumes.

Também tive que adaptar, e pesquei a do dia 10 por falta de ingredientes!
E ainda assim não tinha iogurte! Acho que isso contribuiu para que o paté ficasse com um sabor muito forte, independentemente de ter aumentado as doses de leite e de ervas aromáticas.

E depois aquele queijo com alho e cebola à noite… hum, talvez não seja a melhor opção.
Mas é um jantar light, com certeza!


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:15

Dia 8: uma pitada de desporto

por Perseide, em 04.06.12

Depois de abusar um bocadinho no fim-de-semana, hora de voltar à disciplina!
Já ficou ¼ da dieta para trás e na próxima semana já poderei juntar a (tão querida) fruta e sopa. Eu, que me habituara à fruta, vivo um sacrifício privada dela. Mas é tudo para libertar o açúcar. Aquela frutose toda que lhe dá o gostinho bom não é nada mais nada menos que hidratos de carbono, em forma de açúcar.
Mas afinal a semana passada passou muito rápido, e esta é a última da fase 1.

Almoço: hambúrguer de salsichas de peru, acompanhada de espargos
A receita que vem no livro são ameijoas à bulhão pato com espargos. Como não gosto fui pescar uma receita aos dias seguintes.
Mas o resultado foi pouco satisfatório, para ser sincera.
Piquei as salsichas em pedacinhos, juntei as especiarias e coloquei inclusive numa forma especial para moldar hambúrgueres. Mas ao desenformar na frigideira… eis mil pedacinhos de salsicha por todo o lado.
Acho que falta um ingrediente que permita ligar todos os outros, ou então será culpa das salsichas com pele, que não se deformam bem.
Quanto aos espargos usei dos brancos, de conserva, porque andavam por aqui à espera de ser gastos. Para a próxima tenho mesmo de provar dos frescos! Têm um ar muito mais apetitoso.

Jantar: omelete com fiambre de perú e queijo
Devia ser feita com salmão fumado… e vontade não faltou. Mas como não tinha em casa e com esta conversa toda à volta da crise há que inovar e aproveitar o que há na despensa.
Acompanhei com salada de alface e fiquei bem satisfeita!

                       


Agora que passaram os efeitos dos primeiros dias voltei à minha rotina: correr 30minutos.
Com o sol de fim-de-tarde e uma boa selecção de músicas no mp3...é uma maravilha!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:26

Dia 7: o primeiro Dia da Asneira

por Perseide, em 03.06.12

Ei-lo finalmente! "O" Dia da Asneira!
Na verdade começei a prevaricar no jantar da véspera, por isso hoje, à hora do jantar, já estava de regresso às regras. No entanto soube muito bem ter parte de um dia para matar saudades das pequenas privações!

Almoço: Massa com salsichas de peru e paio.
Juntei a massa cozida às salsichas e paio aos bocadinhos numa frigideira. Depois adicionei um bocadinho de queijo Philadelphia magro e um de parmesão ralado.
Estava com vontade de uma pizza ou uma massa à carbonara mas não tinha ingredientes suficientes para nenhuma delas e consegui matar as saudades da massa com este prato!
No fim, não ficou tão calórico como a carbonara! Pelo menos não levou natas nem carne de porco. Por isso até me sinto de consicencia tranquila e apetite saciado. :)
Claro que no fim comi uns moranguinhos e ainda uma fatia de bolo de maçã e canela caseiro! Que delícia.

Jantar: Peixe-gato com courgette.
Como o dia 7 não tem receitas no livro e no dia 6 o jantar é sashimi – e eu não confio em peixe cru – aproveitei o que existia no frigorífico para preparar um jantar com alimentos permitidos.
Mas não resisti a uma colher de sopinha de legumes... foi uma transgressão mas estava cheia de saudades e não tive oportunidade antes. Além disso fiz exercício e achei que podia abusar um bocadinho. Atenção, comi a sopa, mas tive o cuidado de separar as cenouras! Porque essas sim, têm hidratos de carbono! 



E ao fim de uma semana, que evolução noto?
Vou resistir à tentação de me pesar, como é aconselhado. Se subir à balança e não vir o ponteiro descer com certeza desanimo para continuar mais uma semana!
Sinceramente, parece-me que noto uma ligeira diferença na roupa, mas por outro lado também penso que pode ser ilusão minha...
Resolvi fazer o meu "teste da saia". Tenho uma saia tamanho 36 que não visto há 10 anos! Há dois anos não a conseguia vestir, há um ano não a conseguia apertar... Mas guardei-a sempre com esperança de a voltar a vestir.. por isso acho que faz parte dos objectivos a atingir com esta dieta. 
Portanto, vesti a saia a e parece-me que está mais folgada! Continuo a não sair com ela à rua, mas pelo menos aperto um 36, coisa impossível há um ano!

Além disso parece-me que vejo os meus músculos mais definidos. Faço ginástica localizada há cerca de um ano, mas apesar de sentir os músculos mais tonificados, fortes, não notava muitas diferenças no aspecto corporal.
É simples... com uma camada adiposa por cima, nem o músculo mais tonificado de todos se vai ver. Daí o problema dos abdominais...
Começo a ver uns contornos. Dupla satisfação! :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:27

Dia 3: turning point

por Perseide, em 24.05.12

Terceiro dia sem hidratos de carbono!
Na verdade nem sinto tanta falta deles como esperava, mas quando dá aquela vontade de um docinho… aí sim, fica difícil controlar. (motivação, motivação!)

Por outro lado, as refeições têm sido abundantes e permitem-me não ter fome ao longo do dia e tal como prometido.
Na verdade sinto o estômago mais pesado e que demoro mais tempo a fazer a digestão. Recorri por isso a um óptimo aliado: chá de hortelã. É famoso pelas suas propriedades digestivas, conhecidas por estimular a produção de suco gástrico e favorecer o peristaltismo, ou movimentos do estômago.
As proteínas são nutrientes de digestão mais lenta, que permanecem mais tempo no estômago. E se por um lado essa é uma das características que nos permite não sentir fome tão cedo, por outro também não é agradável sentir aquela pesadez nas horas que se seguem à refeição. Pessoalmente, vejo neste chá um aliado quando tomado logo após a refeição!

Almoço: Fritatta de gambas
Há bastante tempo que queria experimentar este prato. O senão é que precisa ser feita numa frigideira que possa ir ao forno. Quem tiver uma com cabo amovível verá que é perfeito.
Ainda que olhando para ela pensasse “então é isso o meu almoço? Uma omelete” apercebi-me que na verdade aquela receita de fritatta dá pra aguentar uma tarde sem problemas!


                  Shrimp and basil frittata - imagem retirada da Internet

Jantar:  Peito de peru balsâmico
Com que então vinagre balsâmico + carne + frigideira?
Acompanhado de cogumelos e salada de tomate com orégãos, resultou em mais um sucesso, a repetir!
Além disso a marinada de carne e vinagre ajudou a torna-la mais tenra, enquanto ganhava algum sabor do vinagre balsâmico.

Começei com umas dores de cabeça esquisitas ao fim do dia… daquelas fortes e que não consegui atribuir a nada em concreto. Terá a ver com estas mudanças?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:56

Dia 2: aceleração

por Perseide, em 23.05.12

Acordei com uma disposição a continuar a dieta à letra. Claramente motivada pelo sucesso das receitas da véspera. Imaginava já mais aventuras na cozinha!

Almoço: Wrap de alface e carne picada
Adoro wraps, mas… que é isso de substituir aquela massa fininha por alface?
Achei apenas complicado enrolar a alface ao redor da carne: Se o fizesse com a carne fria não enrolava. Ao mesmo tempo, enrolando a alface ao redor da carne ainda quente faz com que a folha amoleça e fique impregnada de molho, com um aspecto menos convidativo. A melhor opção é ir fazendo os wraps à medida que se vão comendo.
O mais importante é que o sabor era bom!
Além disso é uma receita que pode ser feita para almoçar fora de casa! Basta enrolar o wrap numa folha de alumínio ou plástico de cozinha e está pronto a comer onde bem nos apetecer.
Fiz os 4 wraps indicados, mas fiquei cheia com o terceiro.

Começo a achar que se calhar devo adaptar as quantidades indicadas na receita. Além disso, quem me vê cozinhar diz que comendo tudo aquilo nunca vou emagrecer… veremos!

                                                          Lettuce Wrap - Imagem retirada da Internet

Jantar: Atum com maionese e queijo
O resultado é uma espécie de omelete, mas com uma textura muito agradável devido à maionese (feita em casa!) e ao queijo! O sabor também era muito bom. Acompanhada de bróculos cozidos ficou uma maravilha.

Hoje senti-me mais cansada que o normal… queria ter continuado as minhas corridas de meia hora quase diárias, mas sentia que devia ficar por casa e levar um ritmo mais calmo.
Espero que seja apenas uma adaptação à falta de hidratos de carbono e me volte rapidamente a sentir com a energia de antes!
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:53

Visitas



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisa

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728




Arquivos

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D